quinta-feira, 23 de abril de 2009

Finja, finja, até que atinja!

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.


Neste fingimento tão verdadeiro de que nos fala Fernando Pessoa a realidade e o imaginado confundem-se, entrecruzam-se, fundem-se.

Será esta a justificação para o poder fabuloso da visualização?

Cultivar a inteligência emocional desde cedo

A propósito de um livro fabuloso ("Sarilhos do Amarelo", Porto Editora) que comprei para os meus filhos, Violeta e Flecha, descobri uma actividade que auxilia as crianças a reflectirem sobre valores, comportamentos e emoções. Refiro-me a trabalhar, por exemplo, aspectos como: Mentira, Preguiça, Amuo, Desobediência e Medo.

Trata-se de propor que trabalhem o "BI do problema". Para cada um dos problemas identificar:
i. cor preferida;
ii. história preferida;
iii. lema preferido;
iv. comida preferida (comportamentos que o "alimentam");
v. dia do aniversário;
vi. roupa preferida;
vii. o que o "apaga", o que o "incendeia";
e realizar por grupos um portfólio/dossier com os dados recolhidos referentes a cada problema.

Fantástico, não?

segunda-feira, 20 de abril de 2009

Problemas?! Ainda bem....

As vezes o maior erro que podemos cometer é julgarmos que nao temos problemas, que nao temos desafios. Julgamos que os problemas so acontecem aos outros, que são uma praga, que são horriveis. Em vez disso deviamos perceber que os nossos problemas são uma dadiva dos deuses. A unica forma de crescemos é se realmente tivermos um fantastico problema para nos estimular e encher de recursos. Muitas vezes reparamos que esses recursos já estao dentro de nos e que nunca os usamos.

Aqui esta um extraordinario exemplo de um homem tal como nos, com uma diferença fabulosa, decidiu ver o seu "problema" como uma dadiva, e uma forma de demonstrar a toda a humanidade que nao existem limitaçoes para o que se consegue fazer. Tudo é possivel! TUDO!

Espero que fiquem inspirados para atingirem os vossos sonhos.


http://www.youtube.com/watch?v=MslbhDZoniY

O Julgamento antecipado de algo Fantastico

Muitas vezes julgamos pelo "pacote" o que esta la dentro pode ser fantastico :-)

Sao momentos como este que me levam sempre a nunca julgar ninguem pela sua aparencia nunca.

Fantastico



http://www.youtube.com/watch?v=9lp0IWv8QZY

sexta-feira, 17 de abril de 2009

A Memória não “brinca em serviço”!

Caro Lobão, vou sossegar o teu espírito.

Para quem não esteve presente na Sessão da Network sobre comunicação cá vai um breve enquadramento do que se passou:

O Eduardo propôs-nos uma actividade (brilhantemente concebida, como veremos) a realizar a pares. A um dos elementos do grupo foi dado o texto A e ao outro o B, ambos sobre a comunicação não verbal diferindo apenas nos elementos que continham e foi solicitado que retivéssemos o conteúdo em breves minutos. Seguidamente foi pedido que quem ficou com o texto A relatasse ao parceiro o que era dito no seu texto. Quem tinha o texto B (como o Lobão) partiu do princípio que seguidamente teria de enunciar o que leu... Só que a tarefa seguinte consistia em relatar o que reteve do que o colega lhe disse.


E o Lobo Mau não se lembrava de nada do que ouviu!

Agora uma abordagem Psi ao que se passou:

A informação nova é armazenada na Memória a Curto Prazo (MCP) que tem duas características: a sua capacidade de retenção de informação é limitada (segundo Miller, 7 +-2 itens) e só consegue mantê-la armazenada durante poucos segundos.

Se um conteúdo for considerado relevante, depois de devidamente codificado, passa para a Memória a Longo Prazo (MLP), de capacidade ilimitada e duradoura no tempo.

Só que há informações que estão destinadas a serem esquecidas quando já não forem necessárias e para essas usamos estratégias que nos permitem mantê-las na MCP mais tempo.

Uma forma é a repetição mental (chamada rehearsal) que embora permita manter viva a informação na MCP não permite aumentar a sua capacidade de armazenamento. Como esta será sempre limitada, se entrarem novos itens na MCP vão provocar interferência nos que foram anteriormente armazenados. Quanto mais semelhantes forem os itens, mais forte é este fenómeno. A interferência é, assim, uma de duas causas do fenómeno do esquecimento, fundamental e até absolutamente indispensável para o bom funcionamento da MCP. O tempo é a outra causa, sendo que os dados vão enfraquecendo até que desaparecem da memória.

Mais sossegado, Lobo Mau?

A tarefa a realizar envolvia memorizar um conjunto de ideias em muito pouco tempo. Os participantes partiram do princípio que o objectivo seria conseguir, posteriormente, enunciá-las correctamente. Tendo em conta as particularidades da MCP o mais expectável seria que acontecesse o que veio a acontecer: provavelmente foi usada a repetição mental da informação que a mantém mais tempo em memória. A melhor estratégia para evitar o esquecimento que a interferência da nova informação transmitida pelo parceiro provocaria (ainda para mais muito semelhante à antiga) seria precisamente prestar-lhe o mínimo de atenção possível.

Disse que a actividade foi brilhantemente concebida porque o facto de induzir que a tarefa seria enunciar o conteúdo do texto, o curto período de tempo que foi dado para a memorização, aliado ao facto de ambos os textos serem muito semelhantes constituíram a fórmula de sucesso para que este fenómeno se revelasse tão claramente.

Em síntese, Lobo Mau, a tua memória cumpriu o seu objectivo, funcionou na perfeição. Estas estratégias também teriam funcionado se tivesse sido esse o objectivo da tarefa!

E os nossos objectivos fazem toda a diferença! : )

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Eu

Dedicado ao fantástico líder que me ofereceu um certo DVD no Natal...

“Eu não sou os meus átomos, eles vêm e vão.
Eu não sou os meus pensamentos, eles vêm e vão.
Eu não sou o meu ego, a minha auto – imagem muda.
Eu sou acima e além disso. Eu sou a testemunha, o intérprete.
O ego além da auto – imagem.
Este eu não tem idade, nem fronteiras”.

Chopra

Se Sócrates for o pai do coaching, quem é a mãe?

A Executive Digest, em 2001, publicou o artigo: Sócrates é o pai do Coaching?

Afirmava-se que o método usado por Sócrates constitui a essência do coaching, porque em vez de dar respostas formulava questões e concedia espaço e tempo para que cada um as encontrasse por si mesmo.

A própria imagem usada por Sócrates é esclarecedora, apresentando-se como parteiro de almas – aquele que ajudava a dar à luz, como se pode ler neste excerto:

“A minha arte de ajudar a nascer, abrange todas as funções exercidas pelas parteiras, mas difere delas.
A minha arte faz gerar homens e não só mulheres.
A respeito da sabedoria sou estéril.
A crítica que muitas vezes me foi feita, de interrogar sem nunca me pronunciar sobre coisa alguma, tem razão de ser.
Em nada sou sábio, e nada posso apresentar que tenha nascido de mim.
Não há dúvida que nada aprenderam de mim, mas por si mesmos descobriram e criaram coisas maravilhosas.
Porém, se deram à luz foi graças a Deus e a mim.”


Tradução de Paulo T. Ferreira (“A Imagem da Empresa no Atendimento do Público”).

Conhecer ou praticar?

A nossa vida muda no momento em que substituimos o verbo "conhecer" por "praticar"


Eu “conheço” é algo fantástico e por vezes tão imobilizador e vazio.
Eu “pratico” é algo de apaixonante e por vezes… tão amargo.

A vida estará repleta de acontecimentos e emoções para aqueles que a “praticam”.
A vida será cheia de sabores para aqueles que a “praticam”..
A vida estará cheia de erros e de aprendizagem, para aqueles que a “praticam.
A vida estará cheia de alegrias para aqueles que a “praticam”.
A vida estará cheia de amor para aqueles que a “praticam”.
A vida estará cheia de dúvidas para aqueles que a “praticam”.
A vida estará cheia de VIDA para aqueles que a “praticam”.

A prática da vida é mesmo assim, talvez por isso tanta gente optem por apenas "conhecer" e com a mesma determinação outros optem por apaixonadamente "praticar".

Choose live, choose passion!

quarta-feira, 15 de abril de 2009

O mestre da comunicação não verbal

Deliciem-se com este vídeo! Cada vez que o assisto a esta maravilhosa performance apercebo-me do que conseguimos dizer aos outros sem que tenhamos de falar.

Inspirador!

video

Apreciar os "desvios"...

Por vezes a Vida coloca-nos desafios extraordinários...
Em geral são dádivas que nos permitem aprender algo fundamental para chegar mais longe no futuro. Ainda assim, algumas pessoas (menos felizes), ignorando tal inevitabilidade distraem-se dos seus objectivos e passam a viver em função desses “desafios” – apelidando-lhes de problemas. Por vezes acontecimentos desagradáveis, que pensamos gostaríamos que não estivessem a acontecer, vêm a revelar-se chave para sermos pessoas ainda melhores no futuro.

Se olhássemos para cada desafio como um mero desvio do nosso percurso, talvez fosse mais fácil de apreciar a “viajem”… a Nossa grande Viajem e cada um dos seus intermédios percursos.

terça-feira, 14 de abril de 2009

O Futuro promete

Hoje tive uma missao fabulosa,

Preparar o Jantar a minha filhota e claro alimenta-la, algo de completamente normal até que um pequeno ser de 2 anos e meio interrompe o jantar e diz.

- Pai tenho algo de importante para te dizer!!!!!!!!

- Quando for grande quero ser medica.

- Gosto muito de ti e quero curar-te mais a mama e os avozinhos.

Realmente o futuro promete.

Claro qeu a devo ter apanhado num dia com comportamentos muito acima da media.... ou a ausencia de Rucas deu-lhe para ser medica.

Realmente.... isto de ser pai...... eu a julgar que ja tinha passado por tudo.

Lobo Mau e a capuzinha vermelha pequenina

quarta-feira, 8 de abril de 2009

O que vale o tempo?

Ontem, numa descontraída e fantástica conversa informal, falávamos de orquideas (ver post anterior) e o facto de ser fundamental valorizar o percurso, tanto quanto a chegada...

Um amigo fazia a seguinte reflexão:
"Por vezes estou a fazer um trabalho (que demora 6 ou 8 horas) e desejo que o tempo passe rápido... já dei por mim a pensar: porque raio é que eu quero que o tempo passe rápido? Se este tempo passar, não se voltará a repetir e não terei oportunidade de o usar nunca mais... isto é absurdo!"


Há pessoas que passam a vida inteira sem tempo e simultaneamente a pedir para que o tempo passe rápido. Se ele passar, não o teremos Jamais... ainda assim pedimos para ter tempo extra... este é o tão famoso caminho da "confusão".

A solução passa inevitavelmente por aproveitá-lo SEMPRE da melhor forma possível.
E é por isso que Gestão de tempo tem 20% de técnica e 80% de EU - o que Eu acredito, o que Eu valorizo e como Eu posso fazer para que algo fique diferente.

Esta é a gestão da Vida e o Tempo é só um mero recurso.

terça-feira, 7 de abril de 2009

Aprecie o cheiro das Orquídeas

Entre Zapping de canais, este fim de semana, ficou-me esta conversa na mente e desde então tenho estado a relfectir de como ela pode ser tão representativa da nossa própria Vida e dos nossos objectivos.

(Canal Travel)
O barco parecia uma minúscula migalha, tal era a diferença de proporção entre o pequeno lago e as enormes montanhas que os rodeavam.

O comandante do pequeno veleiro disse: "OK o meu contributo acaba aqui, agora apenas terá de atravessar até ao lado oposto das montanhas."
- Apenas?!!... terei de atravessar tudo isto a pé... Quanto tempo acha que vou demorar?
- Muitos turistas de aventura gabam-se de ter passado as montanhas em poucos dias. Não caia nesse erro. Dos que se gabam disso, poucos se lembravam do cheiro das Orquídeas.
Desfrute da viagem e aproveite para ver e sentir o que a Natureza tem para lhe dizer.

domingo, 5 de abril de 2009

Tecnicas de Persuasao de Derren Brow

Dedico aos meus amiguinhos e amiguinhas solteiros(as)/Outros este Video para esta semana.

Aprendam com o mestre :-)

video

quinta-feira, 2 de abril de 2009

É preciso saber Viver

http://www.youtube.com/watch?v=LpYj_sI79v8

O nosso "OLHAR"

A forma como olhamos para as coisas muda a forma que as coisas têm.

Por vezes “escolhemos” olhar para as pessoas à nossa volta de tal forma que isso facilite olharmos para nós mesmo; ou melhor, para que vejamos apenas o que queremos ver de nós.
São maus momentos… ainda que nem sempre nos damos conta.
Um standard extraordinário para ter uma vida fantástica:
Conseguir VER nas pessoas à nossa volta, o melhor que elas têm. Todos os dias!
Em todas as pessoas! Em todas, até mesmo naquelas que… pensam diferente de nós.